Cemitério de São Paulo fecha temporariamente por falta de vagas, dizem funcionários

Corpo de um homem de 48 anos, morto por Covid, foi recusado pelo Cemitério da Vila Nova Cachoeirinha, na Zona Norte da capital paulista, na noite desta segunda (30). Prefeitura nega informação.

O Cemitério Vila Nova Cachoeirinha, na Zona Norte da capital paulista, segundo maior de São Paulo, foi fechado temporariamente por falta de sepulturas para atender à demanda de mortos pelo coronavírus. A informação é de funcionários do serviço funerário da cidade e de familiares de vítimas da Covid-19 que não conseguiram enterrar seus parentes no cemitério.

Segundo relatos, o local fará apenas exumações para conseguir liberar novas sepulturas e, assim, voltar a realizar enterros.

“Lá esgotou, eles vão fazer agora exumação e vai ficar uns dias fechado”, disse um funcionário do Cemitério Chora Menino, também na Zona Norte, ao G1 na manhã desta terça (30).

A medida, segundo ele, entra em vigor a partir desta quarta (31). Entretanto, já na noite desta segunda (29), o corpo de um homem de 48 anos, morto em decorrência de complicações provocadas pelo coronavírus, não pôde ser enterrado no Vila Nova Cahoeirinha.

Após a confirmação da morte, os familiares foram ao Cemitério do Araçá, na Zona Oeste, para obter informações sobre o sepultamento e receberam a informação sobre o fechamento do Vila Nova Cachoeirinha por falta de vagas.

Os parentes relatam que a sobrecarga atinge o sistema funerário como um todo. No Araçá, na noite desta segunda, apenas dois funcionários trabalhavam para atender a alta demanda de liberação de corpos.

Eles ficaram no local das 22h às 2h30 e foram encaminhados para o Chora Menino. O cemitério é destinado apenas às famílias que tem jazigos, mas passou a abrir sepulturas por conta da superlotação.

Ainda de acordo com relatos, por conta da falta de vaga, os corpos também estão sendo encaminhados para o Cemitério de Perus, na Zona Leste.

Questionada pelo G1, a Prefeitura de São Paulo alegou, por telefone, que o cemitério da Vila Nova Cachoeirinha segue operando e é um dos que realiza enterros noturnos. O G1 aguarda nota sobre a capacidade do cemitério e sobre a informação que passou a fazer só exumações para ampliar o número de vagas.

Com o aumento dos enterros, a gestão municipal estendeu os horários dos sepultamentos em quatro cemitérios: Vila Formosa e Vila Alpina, ambos na Zona Leste; o São Luiz, na Zona Sul; e o próprio Vila Nova Cachoeirinha, na Zona Norte. Os enterros que antes eram realizados das 7h às 18h agora ocorrem das 7h às 22h.

A capital teve um aumento de quase 30% nos enterros. Os sepultamentos noturnos fazem parte do Plano de Contingência do Serviço Funerário.

Nesta terça-feira (30), motoristas de vans escolares começaram a trabalhar no transporte de corpos de pessoas mortas por Covid na cidade. Com o aumento dos enterros, a prefeitura contratou 50 carros particulares que serão adaptados para o Serviço Funerário.

Depois de o G1 publicar esta reportagem, o Sindicato dos Trabalhadores na Administração Pública e Autarquias no Município de São Paulo (Sindsep) confirmou que o cemitério suspendeu os enterros e afirmou que será feita a exumação de corpos com mais de 3 anos para viabilizar novas sepulturas.

Segundo o sindicato, por meio de nota, “a situação ocorre após o Cemitério da Nova Cochoeirinha ter sido incluido no contrato de aluguel de equipamentos para sepultamentos noturnos na cidade”, o que pode ter aumentado a demanda.

“O Sindsep há décadas alerta para a falta de investimento no Serviço Funerário Municipal de São Paulo e para o seu sucateamento. No grave momento de recordes de sepultamentos na cidade de São Paulo a situação fica evidente com o processo desenfreado de terceirizações”, diz a nota.

Mortes na cidade

A média diária de novas mortes na cidade de São Paulo mais do que dobrou em relação a duas semanas, quando teve início a fase emergencial no estado.

Nesta segunda-feira (29), a média móvel de óbitos foi de 167. No dia 15 de março, o valor era de 74, o que representa um aumento de 125%. No mesmo período, o estado como um todo teve aumento de 67% na média móvel de mortes.

Fonte: https://g1.globo.com/sp/sao-paulo/noticia/2021/03/30/segundo-maior-cemiterio-de-sao-paulo-fecha-temporariamente-por-falta-de-vagas-dizem-funcionarios.ghtml