Declaração de IR: 5 dicas para revisar as finanças e economizar

DO1 Economia | 15 de março de 2021


É chegada a hora de acertar as contas com o Leão. Apesar de ser, por vezes, trabalhoso, o momento da declaração do imposto de renda pode ser uma boa oportunidade para fazer um balanço das suas finanças e adotar estratégias para economizar ou dar um outro destino para o imposto do exercício de 2021 – a ser declarado ano que vem.

Valter Police, planejador fiduciário da Fiduc, separou cinco dicas de como usar esse momento a seu favor daqui pra frente, confira:

1) Investimentos – Diversificação é importante e ficar atento aos investimentos e a hora certa de revisar as aplicações também. Porém, muito cuidado com essas práticas de “girar a carteira” com frequência. Essa prática, se feita em janela menores, pode causar um aumento do IR, já que antecipa o pagamento que poderia ser postergado e, além disso, a alíquota incidente será de um período mais curto e, por tanto, com tendência de ser mais alta, corroendo potenciais ganhos. Faça as contas antes de tomar essa decisão. Uma alternativa é apostar nos fundos de fundos, nos quais um gestor profissional já fará alterações de alocação necessárias, sem os impactos tributários que podem prejudicar a sua formação de patrimônio.

2) Previdência PGBL – Os planos de previdência do tipo PGBL, além de ótima alternativa de investimento para se ter em carteira, oferecem vantagem fiscal, podendo reduzir os valores a serem pagos no imposto de renda com o abatimento de até 12% dos rendimentos tributáveis da base de cálculo. Para isso, é preciso ser contribuinte de alguma previdência oficial ou aposentado e só é utilizada se a declaração completa for a melhor opção. Se você não fez isso no ano passado para aproveitar nessa declaração, veja as possibilidades para esse ano e não perca na próxima.

3) Despesas médicas – guarde todos os comprovantes – seus e dos dependentes. Mesmo para quem tem plano de saúde pela empresa, gastos como dentistas e eventuais consultas fora do plano podem fazer toda a diferença na hora de abater o imposto devido podendo até zerar o valor. Mas atenção: a dedução só é possível para quem faz a declaração completa. Para a simplificada já há 20% de desconto fixo, mas limitado a R﹩16.754,34. Compare e veja a melhor alternativa.

4) Tipos de renda – para profissionais liberais, é comum poder optar por atuações como autônomos, PJ ou mesmo MEI – cada tipo tem uma tributação diferente, que depende da sua área de atuação e do faturamento. Cheque com seu contador quais as opções mais eficientes.

5) Doações – Sabia que é possível destinar uma parte dos tributos para projetos sociais? Nesse caso, não há dedução, mas você direciona um percentual de até 6% do imposto devido ou da restituição para uma causa nobre. Na declaração completa, é só abrir o campo “Doações diretamente na Declaração” e escolher uma das instituições liberadas pelo governo. Há doações específicas feitas no ano de exercício que podem ter algum tipo de dedução quando enquadradas em leis de incentivo à Cultura e ao Esporte, por exemplo. Caso tenha doações que fazem parte dessa lista reconhecida pelo Fisco, o limite acompanha o teto de até 6% de dedução total em doações.

“A declaração do imposto de renda pode ser uma forte aliada para que as pessoas possam tomar melhores decisões financeiras. Ela permite um diagnóstico das finanças: um verdadeiro check-up, com potencial de fazer uma varredura nas finanças do contribuinte, indicar ações que podem gerar economias práticas, apontar eventuais concentrações de patrimônio, que normalmente devem ser evitadas e deixar claro também o crescimento (ou não) do patrimônio no último ano”, explica Valter Police, planejador fiduciário da Fiduc.

Fonte: Danthi Comunicações