Pandemia afeta felicidade dos brasileiros e Brasil desce no ranking global

Brasil ocupa agora o 41º lugar, 9 posições abaixo do ranking de 2020.

DO1 Saúde | 20 de março de 2021


Durante a pandemia do coronavírus, a infelicidade no Brasil aumentou, fazendo o país cair nove posições no ranking global da felicidade. De acordo com o Relatório Mundial da Felicidade, elaborado pela empresa de pesquisas Gallup, Banco Mundial e Organização Mundial da Saúde (OMS), em parceria com a Organização das Nações Unidas (ONU), a pátria amada ocupa agora a 41ª posição entre 149 nações.

Em 2020, o Brasil ocupava a 32ª posição. A nota atribuída ao Brasil, baseada em dados de 2020, é de 6,110. Essa é a menor média para o país desde 2005, quando o instituto de pesquisas começou sua avaliação. “Embora o resultado de 2021 tenha relação com a pandemia, constitui apenas o agravamento do desempenho de um país que já esteve em 16º lugar”, avalia Carla Furtado, pesquisadora e fundadora do Instituto Feliciência.

O relatório também apontou que a infelicidade aumentou no mundo todo, tendo havido maior insegurança econômica, ansiedade, perturbação de todos os aspectos da vida e, para muitas pessoas, estresse e desafios para a saúde física e mental. “O pior efeito da pandemia foram 2 milhões de mortes por COVID-19 em 2020. Um aumento de quase 4% no número anual de mortes em todo o mundo representa uma grave perda de bem-estar social”, afirma o documento.

De acordo com o Relatório Mundial da Felicidade, a Finlândia lidera o ranking pelo 4º ano consecutivo. O relatório leva em conta diversos aspectos, como a relação PIB/per capita, a expectativa de vida no nascimento, a existência de uma rede social de apoio diante de adversidades, a confiança no governo e nas organizações, a liberdade para fazer escolhas, a generosidade e, obviamente, a avaliação subjetiva da própria felicidade.

Dia Internacional da Felicidade

O relatório, divulgado em 19 de março, vem para lembrar o Dia Internacional da Felicidade. Criada pela Organização das Nações Unidas (ONU) em 2012, a data, comemorada em 20 de março, tem como objetivo promover a felicidade e alegria entre os povos do mundo, evitando os conflitos e guerras sociais ou qualquer outro tipo de comportamento que ponha em risco a paz e o bem-estar das sociedades.

Este ano, a data coincide com o marco do primeiro ano de pandemia do Covid-19, o que suscita a inevitável pergunta: é mesmo hora de falar de felicidade? Onde e quando há sofrimento é urgente falar de felicidade. “Isso porque a promoção do bem-estar precisa partir da identificação e da mitigação das vulnerabilidades e a humanidade enfrenta uma constelação delas – na saúde, na economia, nos direitos humanos e na democracia”, ressalta Carla.

“Precisamos de um Dia Internacional da Felicidade porque a cada ano o mundo experimenta mais emoções negativas. Porque nos Estados Unidos, muito embora o PIB per capita suba, as pessoas estão mais infelizes. Porque na América Latina registram-se não apenas abismos socioeconômicos, mas abismos de bem-estar, com pessoas muito felizes e outras muito infelizes vivendo lado a lado. Porque há a triste constatação de que a humanidade está diante de epidemias de depressão, transtorno de ansiedade e suicídio”, defende a especialista.

Fonte: Agência Mentha