Para coibir aglomerações, Prefeitura e Governo realizam blitze conjuntas em festas clandestinas

Força-tarefa já autuou centenas de estabelecimentos.

DO1 Saúde | 27 de março de 2021


Foto: Ale Moreira

O vice-prefeito Ricardo Nunes falou durante coletiva on-line nesta quinta-feira (25) sobre o trabalho de fiscalização realizado em conjunto entre a Prefeitura de São Paulo e o Governo do Estado. Desde o dia 26 de fevereiro foram fechadas 716 festas clandestinas e comércios que estavam funcionando de forma irregular, e foram realizadas 14.495 fiscalizações.

Foi criada uma força-tarefa que envolve as Polícias Militar e Civil, a Guarda Civil Metropolitana, as Vigilâncias Sanitárias do Estado e do Município e o Procon que visa reforçar o cumprimento das regras previstas no Plano São Paulo. O objetivo é coibir festas clandestinas e aglomerações em estabelecimentos comerciais irregulares.

Ricardo Nunes destacou que existe um serviço de inteligência muito bem formado que identifica, principalmente, as atividades noturnas, como as grandes aglomerações que concentram muitos jovens. “Foram fechados cassinos, boates. E no bairro do Grajaú foi dispersada uma aglomeração de aproximadamente 2 mil pessoas”, ressaltou.

Na fiscalização do baile funk no Grajaú (zona sul), a Prefeitura solicitou o apoio do helicóptero Águia, por conta da aglomeração, o que ajudou a dispersar as pessoas.

“Estamos nesta luta incansável, por determinação do prefeito Bruno Covas, para que as pessoas se conscientizem e não façam aglomerações”, disse o vice-prefeito.

Desde o final de fevereiro, a Polícia Militar atuou de forma preventiva em diversos pontos da capital, com orientações para dispersão de aglomerações. Foram abordadas mais de 300 mil pessoas, sendo 444 delas detidas.

A Vigilância Sanitária Estadual inspecionou 7.216 estabelecimentos comerciais, dos quais 263 foram autuados. O Procon-SP vistoriou 4.176 estabelecimentos comerciais. Destes, 298 foram autuados por desrespeito à regra de restrição de circulação, uso obrigatório de máscaras e distanciamento social.

Força-Tarefa

Criado em 12 de março, o Comitê de Força-Tarefa envolve também a atuação da Guarda Civil Metropolitana e da Covisa (Coordenadoria da Vigilância Sanitária) pela Prefeitura de São Paulo.

O Governo do Estado integra o grupo com profissionais da Vigilância Sanitária, Procon-SP e das Polícias Civil e Militar. As ações ocorrem em diversos pontos da capital para evitar possíveis ações irregulares. O reforço da fiscalização tem como objetivo evitar a propagação do coronavírus.

Equipes da Vigilância Municipal, compostas por agentes da Covisa, em conjunto com viaturas da Guarda Civil Metropolitana, participaram na vistoria de 1.395 estabelecimentos, dos quais 431 foram fechados e 15 lacrados.

O cidadão pode denunciar festas clandestinas e funcionamento irregular de serviços não-essenciais pelo telefone 0800-771-3541 e também pelo site do Procon-SP ( www.procon.sp.gov.br ) ou pelo e-mail do Centro de Vigilância Sanitária (secretarias@cvs.saude.sp.gov.br ).

Fonte: SECOM – Prefeitura da Cidade de São Paulo