Pessoas idosas e com deficiência recebem 21 mil cestas agroecológicas

Iniciativa intersecretarial garante alimentação saudável e incentiva agricultura familiar na capital

2 de junho de 2021

Para contribuir com a melhora da qualidade de vida de pessoas em situação de vulnerabilidade social, financeira e fortalecer a agricultura familiar, a Prefeitura de São Paulo já distribuiu 21.434 cestas agroecológicas, contendo produtos naturais e saudáveis. Nesta terça-feira (1º/6), o prefeito Ricardo Nunes visitou os produtores rurais do Sítio Recanto do Jakinha, em Parelheiros, na Zona Sul, para acompanhar a produção e distribuição às pessoas idosas e com deficiência na capital.

“É uma atividade muito bacana, onde apoiamos esses agricultores para que eles continuem aqui no campo, gerando renda e produtos de muita qualidade”, afirmou o prefeito.

Devido à situação de emergência na saúde pública decorrente da pandemia do novo coronavírus e o aumento da vulnerabilidade social decorrente dela, desde março as pessoas com deficiência atendidas nos Núcleos de Apoio à Inclusão Social para Pessoas com Deficiência (NAISPD) e idosos dos Centros Dia para Idosos (CDI) recebem as cestas em domicílio com produtos naturais (agroecológicos ou orgânicos). Em abril, os idosos dos Núcleos de Convivência de Idoso (NCI) também começaram a receber.

Atualmente, a Secretaria Municipal de Assistência e Desenvolvimento Social (SMADS) atende mais de 8,2 mil conviventes de NCI, CDI e NAISPD. “Todas as pessoas idosas e com deficiência, que são atendidas por esses locais, recebem a cada 15 dias uma cesta com esses produtos, contribuindo para uma alimentação saudável”, disse a secretária municipal de Assistência e Desenvolvimento Social, Berenice Giannella.

Neste programa, foram investidos R﹩ 3.65 milhões de recursos do Ministério da Cidadania disponibilizados ao município para a execução de ações socioassistenciais e estruturação do Sistema Único de Assistência Social (SUAS). Também está previsto o investimento de mais de R﹩ 4 milhões pelo município para expansão da ação.

Nesta iniciativa integrada, a Prefeitura de São Paulo apoia a produção e depois a comercialização dos alimentos, em um trabalho intersecretarial. “Há alguns anos a Prefeitura começou a fomentar a área rural com uma iniciativa de múltiplos propósitos, como a preservação ambiental, de desenvolvimento econômico e de segurança alimentar. Foram, ao todo, mais de 160 agricultores fomentados, com aproximadamente 60 deles com certificação orgânica, como este sítio”, lembrou a secretária municipal de Desenvolvimento Econômico, Trabalho e Turismo, Aline Cardoso.

“Lembrando que essas cestas também compõe o programa Cidade Solidária, que leva o alimento para a mesa de quem mais precisa neste momento de pandemia, em um esforço para unir as cestas saudáveis junto com as cestas adquiridas pela Prefeitura e combater a fome na cidade”, destacou a secretária municipal de Direitos Humanos e Cidadania, Claudia Carletto.

Cestas orgânicas
As cestas são compostas com alimentos de maior valor nutricional, embalados em materiais recicláveis e devem conter:

Também podem ser acrescentados itens complementares, como produtos processados ou beneficiados da agricultura familiar, tais como geleia, fruta higienizada e congelada (para suco) e compota.

Para compor a cesta, os fornecedores montam os kits utilizando produtos próprios e de outros parceiros e fazem também a parte de entrega aos beneficiários, incentivando a economia local.

“Essa chácara é da minha família, mas toda a parte de produção é minha. Eu sou uma produtora orgânica certificada pelo IBD [Associação de Certificação Instituto Biodinâmico] e tudo o que produzimos vendemos na nossa rede de balaio orgânico, que são cestas com produtos naturais comercializados individualmente, inclusive atendendo a Prefeitura”, explicou a produtora Maria Bernadete Alcebíades, que desde fevereiro é parceira do município.

As entregas acontecem quinzenalmente, nas primeiras e terceiras semanas do mês, de segunda a sábado, nos períodos da manhã e tarde. Os gerentes dos serviços notificam os beneficiários das cestas por meio dos aplicativos de mensagens.

Ligue os pontos

O Ligue os Pontos é um projeto desenvolvido pela Prefeitura de São Paulo para promover o desenvolvimento sustentável do território rural e aprimorar suas relações com o meio urbano a partir dos diversos pontos envolvidos na Cadeia da Agricultura.

Com essa proposta, a cidade de São Paulo foi vencedora do prêmio Mayors Challenge 2016, promovido pela Bloomberg Philanthropies. A organização premiou iniciativas inovadoras em políticas públicas nas cidades da América Latina e do Caribe. São Paulo recebeu o prêmio principal, com a premissa de que um dos grandes desafios a ser enfrentado pelas cidades latino-americanas é estabelecer uma relação sustentável entre as áreas urbana e rural. As demais cidades premiadas pelo concurso foram Santiago (Chile), Medellín (Colômbia), Guadalajara (México) e Bogotá (Colômbia).

No dia 25 de maio, o projeto foi um dos três selecionados pelo Concurso de Inovação Urbana Pitch Innopolis, promovido pelo Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), do qual 187 cidades do mundo participaram. Na etapa anterior, foram indicadas quinze propostas finalistas que participaram de um workshop metodológico, quando foram documentadas e convertidas numa série de estudos de caso que serão publicados e disseminados por meio de diferentes canais do BID. Nesta última etapa, além de São Paulo, também foram reconhecidas ações das prefeituras de Tuxtla Gutiérrez, no México e Lima, no Peru. O próximo passo é participar de um programa de intercâmbio com uma cidade europeia conhecida pelas questões de inovação urbana.

Cidade Solidária

A Prefeitura de São Paulo lançou o programa Cidade Solidária com a finalidade de empreender ações coordenadas entre o poder público municipal, sociedade civil organizada e iniciativa privada para ajuda humanitária, buscando garantir a segurança alimentar e a saúde básica das populações mais vulneráveis durante a pandemia.

Desde 2020, o programa Cidade Solidária cadastrou 3,4 mil entidades sociais que realizam a distribuição das cestas básicas. Somente este ano foram 2 mil organizações cadastradas, número 42% superior ao total de solicitações de todo o ano anterior.

Todos os dias, cerca de 30 caminhões circulam por todas as regiões da cidade distribuindo as cestas básicas e kits de higiene e limpeza do projeto para as entidades, que por sua vez fazem chegar estes alimentos nas mãos de quem mais precisa.

Fonte: Prefeitura de São Paulo