Polêmica do Projeto Nike Oregon chega em Mo Farah

Postado por Viva Melhor em 22/jan/2020


Nas pistas Mo Farah já marcou seu nome na história ao se tornar apenas o segundo homem a conquistar o bicampeonato olímpico nas duas provas de fundo dos Jogos Olímpicos, os 5.000m e os 10.000m. Suas medalhas de ouro em 2012 e 2016 foram acompanhadas de outros seis ouros e duas pratas em Campeonatos Mundias entre 2011 e 2017 nas mesmas provas.

Após uma “frustada” experiência pelas maratonas onde teve como melhor resultado a vitória em Chicago 2018 e, outras participações com bons tempos, mas que não atingiram a expectativa criada por seu currículo nas pistas, o atleta, somali de nascimento e britânico para o mundo, anunciou que tentará defender seu título olímpico dos 10.000m nos jogos de Tóquio este ano.

Infelizmente o nome de Mo Farah está envolvido em uma polêmica no mundo esportivo e do doping. Não que o atleta tenha sido pego em algum exame mas, a equipe onde ele treinou em seu período dourado (2011 – 2017), o Projeto Oregon da Nike e seu treinador principal Alberto Salazar, foram acusados e considerados culpados de orquestrar um esquema com o intuito de burlar as normas antidopagem.

Mo Farah sempre foi o principal nome do projeto mas não participava mais do mesmo quando o escândalo veio a tona e a suspensão à Salazar foi aplicada. Desde o conhecimento do caso Farah disse que nunca fez uso de nada fora das normas antidoping.

O caso voltou à tona devido ao interesse da Wada (Agência Mundial Antidopagem – em inglês) em refazer testes com as amostras colhidas por Farah e à recusa formal da UKada (Agência Britância antidopagem) em entregar o material que possui sobre o atleta.

Estas ações geraram grande debate e muitos acharam estranha a recusa em entregar o material pela UKada, o que criou um sentimento que a entidade estaria escondendo alguma coisa. Em sua defesa a entidade destacou que, caso haja uma nova evidência relacionada ao nome do atleta, entregará o material que possui.

O atleta foi às redes sociais deixar seu posicionamento sobre a polêmica. Ele disse: “Vi relacionarem o meu nome com os últimos pronunciamentos da UKada e Wada sobre possíveis novos testes antidoping. Só para esclarecer, não fui consultado sobre isso. E, como já disse muitas vezes, estou feliz se qualquer órgão antidoping precisar testar uma das minhas amostras anteriores a qualquer momento.”