Junho Púrpura - Alertando sobre os distúrbios de aprendizagem

Jogo virtual auxilia na conscientização sobre tipos de violência contra a mulher



Por Mulher Cidadã em 26 de novembro de 2020


No primeiro semestre de 2020, houve aumento da violência contra as mulheres no Brasil, segundo o 14º Anuário Brasileiro de Segurança Pública. Dentre os números apresentados, chamam a atenção o aumento de 3,8% de ligações para o 190 relatando casos de violência doméstica, e o crescimento em 1,9% das vítimas de feminicídio.

Com o objetivo de ajudar as mulheres e, também, as pessoas que estão ao redor delas a identificarem os tipos de violência, foi criado o Mobi Game – Enfrentamento à Violência Doméstica.

A ferramenta é gratuita e pode ser utilizada por organizações ou pessoas acima de 18 anos. Conta com uma linguagem simples, por meio da conversa entre duas amigas, Luana e Penha, sobre situações de suas vidas e do cotidiano, com foco em relacionamentos amorosos.

“O game, que funciona como um simulador, traz uma explicação dos tipos de violência ao final de cada rodada, e o contato de onde se pode pedir socorro. É uma ferramenta educativa e preventiva”, diz Ana Paula Arbache, Sócia Fundadora da HR Tech Arbache Innovation, responsável pelo grupo de trabalho multidisciplinar que desenvolveu o aplicativo.

“Ao trazermos uma linguagem atual por meio do storytelling, com personagens que pudessem dialogar com a realidade e os usuários do game, e usando a tecnologia mobile, temos maiores chances de chegar até públicos que não iriam ser atraídos por modelos tradicionais de mídia impressa, como folhetos e relatórios”, explica a executiva.

Essa facilidade se dá porque o Mobi Game pode ser jogado a qualquer hora e lugar. É necessário, apenas, ter um celular e acesso à internet. Sua duração, que é em torno de 15 minutos, traz um relatório de performance que pode se tornar um aliado para as empresas abordarem a temática junto aos colaboradores e stakeholders.

“Como os resultados alimentam um dashboard com people analytics capaz de identificar quais rodadas tiveram melhor ou pior performance, e que merecem ou não atenção, o jogo pode ser usado pelas empresas para treinamentos e podem orientar a criação de políticas e práticas. Dessa maneira, tomadores de decisão na área terão precisão para investir em situações futuras”, avalia Ana Paula Arbache.

“É o caso da Sodexo, companhia parceira na elaboração do game, que está realizando um projeto piloto para educar e identificar qual tipo de violência seu público interno compreende melhor e aqueles que precisam aprofundar o conhecimento de modo preventivo”, complementa.

Fonte: Movimento Mulher 360